A fantástica obra de Lenin Vásquez

PITANGA DIGITAL

Lenin Vásquez é desses artistas que quando descobrimos sua existência pensamos: “como é possível nunca ter ouvido falar dele?”. Sua obra é comovente e muita rica esteticamente.

Vásquez nasceu em Oaxaca, México, mas vive no Distrito Federal do país desde 2005. Mudou-se para estudar desenho e comunicação visual, abandonando a faculdade de engenharia que frequentava em sua cidade. No entanto, o artista se declara um “oaxaqueño hasta la medula de mis huesos”.

Seu trabalho inclui desde pintura até a ilustração digital, alterando técnicas e estilos em cada imagem. Não existe uma técnica predominante em suas obras, mas, sim, a combinação de vários elementos e técnicas, o que o leva a criar peças únicas.

O artista se especializou em fotografia documental, mas ao perceber que sua fotografia não mudava a vida daqueles que eram retratados em situações desfavoráveis, decidiu dedicar-se a arte e a ilustração, na qual tem trabalhado de forma…

Ver o post original 116 mais palavras

Anúncios
Ideia verde?

Ideia verde?

Beatrice Trochmann – beatricets@hotmail.com

Sujeira torna a proposta de sustentabilidade do SWU contraditória 

Festival SWU, que aconteceu nos dias 12, 13 e 14 de novembro em Paulínia/SP em sua segunda edição, é um evento junto a um movimento de conscientização das pessoas em prol da sustentabilidade e tem o intuito mostrar que por meio de pequenas ações e atitudes individuais é possível construir um mundo melhor para se viver.

 Porém, o festival em “pró” a sustentabilidade mostrou um total descaso com o meio ambiente. A falta de cuidado da organização para reduzir o lixo foi refletida no grande consumo de descartáveis como latas, garrafas pets e papéis que os participantes jogavam no chão, sem a menor preocupação. A falta de higiene nos banheiros, mau cheiro, a poluição de gases liberados pelos veículos que aguardavam nas imensas filas na entrada e saída do evento e as revistas policiais para tirar todos os alimentos que as pessoas levaram, obrigando os participantes a adquirir alimentos no evento a preços abusivos também foram exemplos de condutas contraditórias a proposta do SWU.

 Apesar da organização divulgar o sucesso do evento, quem esteve presente viu que  muitas falhas ficaram evidentes. O que era para ser um movimento de informação, interação e conscientização mostrou-se apenas uma grande jogada de marketing com propósitos lucrativos.

 “Apesar de ter sido uma super oportunidade e um evento muito legal, eu imaginava algo totalmente verde e diferente, mas foi como qualquer outro festival grande.” comenta Isabela Biasi, estudante que participou do SWU pela primeira vez.

 Natália Zincone participou do festival pela segunda vez este ano e diz que espera para o próximo ano correção das falhas que ela viu nas duas edições “Espero que realmente demonstrem que o festival tem a ideia de uma “consciência verde”, afirma.

A reportagem enviou um email a assessoria de imprensa do evento, que não respondeu. Até o momento, a única mudança anunciada por Fischer, idealizador do festival, é a data de realização: por causa das chuvas de novembro, no próximo ano o festival poderá acontecer em setembro ou outubro.
 

Verão mais saudável

Preocupação com o corpo aumenta na estação mais quente do ano

Fabiana Matsuda (fabiana.matsuda@gmail.com)

Com a chegada do verão, as pessoas sentem mais disposição para realizar diversas atividades, é o que destaca a educadora física Alessandra Momentel, de 23 anos. É nesta estação que a prática de exercícios físicos ganha um incentivo.

Essa tendência pode ser percebida nas academias, que ficam lotadas, e também nas ruas, já que aumenta o número de adeptos de caminhadas e corridas no final da tarde. “O clima favorável dá mais disposição e ânimo. Além disso, o fato de escurecer mais tarde também contribui”, afirma Alessandra.

Recentemente, a Associação Brasileira de Academias (Acad) divulgou dados, os quais revelam que o número de matrículas em academias de ginástica crescem de 20% a 30% na estação mais quente do ano.

Nesta época, o brasileiro fica mais à vontade para suar a camisa em academias de ginásticas e aumenta a preocupação com o físico. As mulheres desejam perder peso para vestir biquínis e desfilar com um corpo ideal nas praias. Já os homens querem definir a musculatura.

Para a estudante de Direito, Luciana Tebecherani, de 21 anos, a preocupação com o corpo aumenta, sem dúvida, com a chegada do verão. Foi pensando nisso e em garantir um estilo de vida saudável que Luciana começou a frequentar a academia em agosto deste ano. “Corro na esteira por uma hora e, com o incentivo da minha mãe, comecei a participar de corridas em São Paulo. No dia 4 de dezembro, vou correr na maratona de revezamento em Interlagos. A equipe é formada por amigos e familiares, cada um dos participantes corre cinco quilômetros no mínimo”, conta a estudante.

Maria Inês frequenta a academia todos os dias

Por outro lado, há quem não perca o pique quando o assunto é atividade física. A empresária Maria Inês Correia Barbosa, de 54 anos, é um exemplo de que a estação do ano é indiferente.

Há 30 anos a empresária frequenta a academia para fazer musculação e aulas aeróbicas. Além disso, Maria Inês divide seu tempo entre o trabalho, a casa, os filhos e a prática de exercícios. “Eu adoro ir à academia. Faço aulas de RPM Cycling, spinning, jumping, step, yoga, ginástica funcional, bionatural, pilates com bola, balners e alongamento, de segunda a sexta-feira, durante quatro horas por dia.

A disposição surpreende e aliada aos exercícios físicos está a boa alimentação da empresária. “Como muitas verduras, legumes e frutas”, afirma.

Cuidados

O número de alunos nas academias tem aumentado consideravelmente nos últimos anos. Segundo a Acad, 5,4 milhões de pessoas frequentam as academias no país. Esse dado cresceu quase 15% em relação a 2010, quando o número de alunos era cerca de 4,7 milhões.

Por esse motivo, de acordo com a associação, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking de países que mais possuem academias, com 18.195 empreendimentos, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam 29.890.

Alessandra orienta a prática de exercícios

Porém, ao frequentar a academia, as pessoas precisam ter cautela e não podem exagerar. “Sempre devem tomar cuidado com as cargas dos exercícios e não ultrapassar o limite do próprio corpo”, orienta a educadora física Alessandra Momentel.

Além disso, segundo Alessandra, é recomendável que antes de iniciar a prática de atividades físicas, a pessoa passe por um médico para fazer uma avaliação. “Caso exista alguma restrição, o profissional de educação física vai estudar o caso e passar o exercício para ajudar a melhorar a condição física do aluno”, explica.

Para aqueles que pretendem começar ou começaram recentemente a prática de exercícios, a educadora física recomenda sempre procurar um profissional, não ultrapassar o limite do corpo e ter paciência que o resultado aparece.

Consumidor internauta

Consumidor internauta

 

Reclamações nas redes sociais são mais eficazes do que o Procon

Luiza Oliveira – luli.r.oliveira@hotmail.com

Quando reclamações são feitas por consumidores insatisfeitos nas redes sociais, as empresas levam até 24 horas para resolver os problemas. Já uma reclamação feita por telefone no SAC demoraria, no mínimo, 10 dias para ser solucionada e o atendimento pelo Procon pode demorar mais de um mês.

As empresas dão mais atenção as manifestações dos clientes por meio das redes sociais por ser a forma mais rápida da informação se espalhar, fazendo com que o caso ganhe maior dimensão. Segundo o empresário, Pedro Brito, da Social Circle, agência que ajuda empresas e marcas a encontrar seu público nas redes sociais, as grandes companhias dão prioridade para esse canal de comunicação, porque a marca está sendo exposta de forma negativa. “Um canal telefônico deveria ter o mesmo atendimento de um on-line”, avalia o empresário.

O estudante de Publicidade e Propaganda, Diego Fernandes de Azevedo, comprou um notebook da Dell e depois de um mês que a garantia tinha vencido, uma das teclas não funcionavam mais e o alto falante estourou. Após várias tentativas de reclamação pelo SAC, ele fez um protesto mencionando o nome da empresa via Twitter. “No mesmo dia a Dell me respondeu pedindo meus dados e meu telefone, e em menos de 24 horas entraram em contato comigo. Eu enviei o aparelho pelo correio e exatamente uma semana depois meu problema estava solucionado”, afirma o estudante.

Diego teve seu notebook arrumado depois de uma semana

Algumas companhias usam as redes sociais apenas para monitorar as reclamações e após identificá-las, encaminham o cliente para os canais tradicionais, como foi o caso da Dell. No entanto, há uma necessidade de criar canais que resolvam os problemas diretamente pela internet. É o que está tentando fazer a empresa Natura, que apesar de ter algumas contas na internet apenas para identificação de reclamações, colocou no ar um perfil próprio para o atendimento online.

Outro caso aconteceu com o engenheiro Vinícius Francischetti, que após ter o cartão de crédito do Santander clonado, ficou um mês brigando com o banco para conseguir receber seu dinheiro de volta. “Logo que descobri que meu cartão tinha sido clonado, liguei para o banco bloquear, mas após alguns dias percebi que ainda estavam usando minha conta. Três dias depois de reclamar pela web o dinheiro foi estornado”, relembra.

Quando os clientes, que são formadores de opinião, fazem uma reclamação na web, em poucas horas a história pode se espalhar. “O sucesso de uma reclamação na internet depende dos chamados “repassadores”, que podem retransmitir uma queixa em larga escala. Por isso, as empresas precisão ter respostas rápidas para tentar evitar propagação”, afirma ainda Pedro Brito.

 Veja uma manifestação que ficou famosa na internet feita por um consumidor

Mais um teatro?

Construção de teatro gera polêmica entre artistas campineiros, que questionam sua necessidade

Carolina Martins

O governo do Estado anunciou a construção de um novo teatro em Campinas, que seria uma réplica do Carlos Gomes, que foi demolido na década de 1960. No entanto os artistas locais são taxativos ao afirmar que um novo teatro não irá resolver os problemas da cidade, dizem ainda que o mais indicado seria dar prioridade as casas de espetáculos campineiras que estão caindo aos pedaços.

Segundo a diretora do Barracão Teatro Tiche Vianna, um grande teatro não será bem usufruído, pois, falta vontade política para promover as manifestações artísticas locais. “Há muitos grupos em Campinas, que contam com uma produção intensa, mas falta incentivo”, afirma Tiche.

Melissa Lopes, atriz do grupo Matula Teatro, considera que a construção de um grande teatro não irá resolver os problemas da cidade em relação à cultura. “Se continuar como está sem incentivo para produções e dificultando a divulgação, o local vai ficar vazio”, afirma Melissa.

A réplica do Carlos Gomes será instalada no parque ecológico Monsenhor Emílio José Salim. Para o governador de São Paulo, um dos principais benefícios desta obra será “a descentralização da cultura”.

Apesar do anúncio da construção do novo teatro, as casas de espetáculo campineiras não estão em bom estado, como por exemplo o teatro Castro Mendes, que está  há um ano e meio em reforma, e a previsão é que seja entregue em janeiro de 2012, porém, as obras deveriam ter sido concluída em outubro deste ano.

 

 

 

 

 

 

 

Tiche Vianna “faltam políticas públicas no meio cultural”